quinta-feira, maio 24, 2012

ALO – Acesso Livre às Obras Autorais




Amigos, num bate papo com Eneas Luz, meu querido gaúcho, ele me perguntou porque não solucionar o problema do acesso ao livro criando uma série de bibliotecas virtuais integradas. Expliquei pra ele que fazer download de livro em biblioteca é tão danoso ao editor e ao autor quanto o dos piratas. Mas a sugestão dele me fez pensar um pouco mais e saiu esta ideia luminosa aí abaixo:


PROJETO BIBLIOTECA VIRTUAL INTEGRADA
Até criarmos um nome mais batuta, eu adoraria "Acesso livre às obras autorais do Brasil" (Alô Brasil)

1-Um único portal, para todo o Brasil.

2-Todas as obras que autores e editores desejarem inscrever.

3-Downloads geram retorno para os editores/autores inscritos.

4-O retorno se inicia acima de um certo número de downloads com um valor inicial que cairá quanto maior a procura. 

5-Anunciada, constantemente acessada em todas as escolas, bibliotecas publicas, centros culturais, lanchonetes fast-food e quiosques do litoral.

6-Chamada aberta a tradutores que ao disponibilizar a obra em outros idiomas também passam a receber retorno, não há limitações quanto ao número de traduções de uma mesma obra. 

7-Ídem para versões reeditadas, ilustradas, musicadas, adaptadas, sampleadas, porém resguardados os direitos morais dos autores e contratos anteriores firmados por autores com terceiros.

8-Finaciamento para a montagem da estrutura online e retorno dos DAs dos editores e autores viria do Estado + provedores e demais que compartilham dos ganhos oriundos da circulaçao de conteúdo na Internet (Google, Utube, Yahoo, UOL, Terra, IG, Oi, Microsoft, Apple, telefônicas, etc).

9-Permitida entrada de anunciantes para financiar o valor dos downloads. Através de anunciantes o valor do download poderá chegar a zero para o Estado e demais patrocinadores, com o anunciante financiando diretamente o editor/autor.
Um livro sobre a Renascença Italiana interessaria a anunciantes de pacotes de viagens para Itália, cursos de arte, etc.
Um livro sobre fisioterapia interessaria a anunciantes de clínicas e equipamentos de fisio. Na seção jovens autores tudo quanto é anunciante de produto teen vai querer embarcar. Esse é um recurso que a internet veio disponibilizar e que não afeta a estrutura visual do livro, pois o anúncio entraria apenas na faixa de banners na página do download do livro e não no ebook em si.

10-Os arquivos, de alta qualidade são fornecidos diretamente pelos editores/autores, com links para compra do ebook/impresso quando houver, aqui devemos pensar nos livreiros de bairro, o usuário recebe sempre duas opções: compra online no editor/autor, e também a indicação das livrarias mais próximas que tenham o livro em suas estantes, pois há o interesse em estimular a busca pelo livro em papel e semear pequenas livrarias pelas cidades. Sinto muito pelos megastores online. Terão os mesmos privilégios que todos os outros livreiros. O fato destas megastores agregarem outros produtos já lhes confere vantagem suficiente. É notório que as megastores prejudicam editores e autores ao exigirem percentuais abusivos na revenda dos livros.

11- As livrarias teriam como anunciar seus eventos neste projeto, como lançamentos e palestras, incentivando a compra do livro físico.

12- Haveria uma opção para ajudar a auto-publicação ou editores que não dominem o ebook. Uma opção padrão automática e simples, mas que o autor pode incrementar se quiser. Outra possibilidade da magia da Internet. Poderia ser um acordo com os criadores dos softwares de edição.

13-Editores teriam espaço para criar atrativos extras, como links pra entrevistas, podscasts, brindes, atualizações sobre a obra, lançamentos e autores. Incentivando ainda mais esta forma de acesso com downloads gratuitos mas legais. Afastando de vez qualquer vantagem de acessar piratas e criando a tão importante aproximação de editores e leitores.

14-Link para paginas dos autores, feedback dos leitores direto com os autores que desejarem recebê-lo. Como na página da Amazon, a busca por um livro indicaria outros do mesmo autor ao usuário. Estudante e leitores poderiam ainda agregar resenhas dos livros, coisa que raramente se vê nos sites piratas

15-A busca de determinado livro também poderia gerar alertas sobre eventos relacionados ao livro, como por exemplo Feiras e Congressos Literários, e até eventos públicos e culturais relacionados diretamente ao autor ou assunto do livro. Exemplo, livros sobre agricultura orgânica "chamam" avisos sobre Ferias de Orgânicos, eventos para pequenos agricultores. E seriam os organizadores destes eventos que inscreveriam os mesmos. Como já é feito no Face e no Orkut. Os usuários inscritos ainda teriam descontos nesses eventos, estimulando a ida deles nas feiras.

16- Esse modelo pode abarcar outras formas de arte. Exemplos:

17- Músicas: podem ser "contratadas" para formar todo um podcast, uma lista de músicas para, por exemplo, animar uma festa, um aniversario, um casamento (acabando com os micos do ECAD invadindo festinha de aniversário da vovó). Ou até num stream continuo, tocando num bar. A Biblioteca ALO então forneceria auxilio na busca e formaçao das listas, novidades das bandas, etc. Feedback para contato com os músicos e bandas tornaria ainda mais atraente o serviço. Lembre, que serão os músicos, bandas e produtores que se inscreverão e entregarão os arquivos. Links para a compra do CD.DVD disponíveis tb.

18-Vídeos: segue a mesma ideia. Pode-se contratar "cineclubes", video-casts pra eventos, ídem, ibídem.

19-E outros formatos de entretenimento que sendo vítimas da pirataria podem se beneficiar assim. Exemplo: vídeo games.

20-Todo usuário se inscreve. Recebe os "termos de uso do site", ou ainda, o manifesto pela arte do site, cujo o objetivo é educar o usuário a não acessar mais os piratas, quem sentir falta de qualquer conteúdo haverá um canal para requisitar o mesmo, e a Biblioteca Virtual irá contatatr o detentor dos direitos. 

21-Assim cadastrado o usuário passa a fazer parte de uma comunidade de leitores e vídeo espectadores. Onde pode trocar ideias, formar grupos de estudo, pedir ajuda a colegas para pesquisas ou dever de casa. Unindo lares e cabeças pensantes.

22-O usuário pode optar também por entrar como autor e promover seus próprios trabalhos, que serão disponibilizados da mesma forma que os livros dos editores. Para iniciantes poderia haver uma planilha padrão, de custo mais baixo, ou de custo zero, se abríssemos para venda direta. Piratear o livro de um estudante que começa nas letras não seria do interesse de ninguém, e de um mau-caratismo tal que dificilmente alguém faria este download.

23- Fazer aliança com a Wikipedia e demais portais de conteúdo. Integrando demais projetos que surgiram no planeta.



VANTAGENS DESTE PROJETO

1- Torna desnecessária a "luta" contra a pirataria. Economizando em processos, em buscas, em operações de repressão. 

2- Mata o mal pela raíz. Com este sistema a pirataria é inútil, e o dinheiro para de ir por lugar errado. Torna caducos os programas como Napsters e Limewire, que acusados de fomentar a pirataria, também pouco se importaram com os direitos autorais. Estes e sites como do Megaupload voltariam a ter suas funções "originais" de armazenamento e compartilhamento de arquivos legais. Pois seria mais vantajoso fazer o download da Alo Brasil.

3- Finalmente cobra dos provedores e daqueles que lucram com a circulação de conteúdo na Internet a sua parcela de responsabilidade. Quanto maior o acesso, mais os provedorem podem, sem chorar, reinvestir na ALO Brasil.

4- O Governo passa a ter uma visão real da circulação da cultura na rede, e até índices dela no mundo real (compras de livros, eventos, produção acadêmica). Com esses dados pode propor políticas públicas de incentivo à cultura mais bem planejadas.

5-integra inteligência do país, contatando nossa massa pensante e criativa. Do universitário a donas de casa geniais.

6- É legal, ninguém precisa se sentir "bandido" usando.

7- Estimula a criação ao invés de matá-la.

8- É uma solução complexa inicialmente, mas que se auto renova, e viável do ponto de vista econômico. Como num projeto de software aberto ou Wiki.

9-Faz ponte direta de nossa cultura com o planeta Terra inteiro, reforçado pelo sistema de traduções.

10- É uma solução tanto pra curto quanto longo prazo.

 ============================

Em algum lugar do Brasil alguém já deve ter pensado nisso. Aguardo sugestões, humilhações públicas, ou compartilhamentos. Ovos ou ovações, o mais importante é o Brasil assumir seu papel na revolução que a Internet nos possibilita. Os recursos estão mais ao nosso favor do que do pirateiros.


3 comentários:

Alexandre de Castro Gomes disse...

Muito legal, Thais. Adorei o nome. É esse tipo de iniciativa que precisamos. Dei uma olhada rápida porque estou de saída, mas gostei do que li. O difícil seria conseguir que o Estado bancasse o projeto, embora eu acredite que possa até ser lucrativo. Acho que dependeria do volume de obras oferecidas, não sei. Uma grande Apple Store de livros, com vários gratuitos. Eu topo!

Heitor Falcão disse...

Grande Ideia! Acho que realmente é algo que irá funcionar. Parabés.

Laura Bergallo Escritora disse...

Ótimo projeto, Thais. De implantação um pouco complexa, porque embute mudanças em referenciais muito arraigados, mas acho que se houver vontade política pode ser a solução!