quarta-feira, dezembro 30, 2009

11º Salão FNLIJ - revendo 2009

Sandra Pina lança "O Pano de Boca", ilustrações minhas, pela Cortez. Entre nós, segurando o livro, a escritora Flávia Côrtes. Este texto da Sandra foi premiado no "Carioquinha" aqui no Rio de Janeiro, e ganhou esta edição especial pela ed. Cortez bem a tempo de comemorar o centenário do Teatro Municipal do Rio de Janeiro, palco da história.


Performance das autoras durante o lançamento. Pina conversa com os leitores, contando um pouco sobre suas inspirações e desenvolvimento do livro, enquanto em desenho.


Leitura do livro "O Pano de Boca" feito pela autora para o público do Salão FNLIJ.


A ilustradora também comenta sobre a arte e suas referências artísticas e afetivas. Inspirei-me sobretudo em Eliseu Visconti, cujos afrescos me encantavam nas muitas vezes em que fui ao Municipal ver minha tia Cinira tocar.


Celso Sisto, no lançamento do seu livro "O Vestido", pela Zit, com autoria minha nas ilustrações. Momentos emocionantes marcaram a leitura do texto, uma pérola de sensibilidade ao tratar de saudade e morte de um ente querido. 




Entrada do galpão, no Centro do Rio de Janeiro.

segunda-feira, dezembro 28, 2009

Natal em Paraty


Quando os piratas foram embora desta terra, decidiram não levar um de seus comparsas: Jack Espírrou, o pirata sensível de Paraty. Simplesmente não aturavam mais as ladainhas e lamentações de Jack. De nada adiantaram os conselhos de Barba Ruiva, ou as ferroadas de James Gancho... Os piratas devem se comportar, ou melhor, descomportar. Serem algozes, jamais vítimas. Mas monsieur Espírrou, olhos afogados numa maré de lágrimas, na boca poucos dentes recapeados de ouro, só fazia era lamentar tal qual Homem Elefante: "Não sou um objeto! Sou um ser humano!

(foto de Thais Linhares, 26 dez de 2009 - Paraty/RJ)

quarta-feira, dezembro 23, 2009

NATAL BOM é no Odeon!




Encontro de Natal da Associação de Escritores e Ilustradores (AEI-LIJ). Cine Odeon, Cinelândia, Rio de Janeiro - 2009

Leituras na FBN - Poesia para Crianças e Jovens


Mesa mui querida!

Salão do Livro das Escolas Estaduais - Rio de Janeiro


Estande da jovial Ygarapé! Não estranhe o "vazio" , os títulos estão nas prateleiras laterais, e as regras do salão proibem propaganda gráfica e "boca-de-urna". Muito justo, ajudou que nossas vendas fossem excelentes, mesmo concorrendo com editoras mais antigas e maiores. Na foto os editores Sandro Dinarte e Marco Braga.

segunda-feira, dezembro 21, 2009

Como fazer e apresentar um Portfolio

Segundo meu colega ilustrador Adriano Renzi, 12 é um bom número de artes para se apresentar em um portfolio. Um bela pasta imitação de couro - uso a pasta de couro da Malas Avião, que fica no início da Rua da Carioca no centro do Rio de Janeiro - ou algo similar, onde dispomos dentro de forma limpa e organizada nossos originais, ou reproduções de alta qualidade.

Entretanto, já faz um bocado de tempo que dispensei o portfolio-pasta... Primeiro troquei aquele trombolho de portfolio formato A3 por um menor tipo A4 que cabia dentro do mochilão - assim ficava fácil levá-lo para eventos, bienal e editores visitados em outros estado. Isto porque até bem pouco tempo atrás os editores tinham receio de trabalhar com alguém cujos olhos nunca tivessem fitado. Mas isto mudou.

Agora os portfolios são exibidos em sites na Internet. Pode ser um blog, um site pessoal, um endereço no Deviant-Art, Flirk... Até o " feioso" Orkut tá valendo. O ideal é ter um site próprio ou pelos menos um blog bem trabalhado.

Escolha as melhores artes, sendo apenas aquelas relacionadas ao tipo de trabalho que pretende desenvolver e coloque-as em ordem: inicie pela segunda melhor arte, siga então da mais fraca para a mais forte. Creio que o Adriano faz um pouco diferente, mas a idéia é ter artes fortes na abertura e fechamento. É como quando contamos uma história. Ela deve começar forte pra prender atenção do publico e fechar bem pra manter a boa impressão geral.
Na Internet, dá pra colocar mais que 12 imagens... mas não exagere, ou seu editor se confundirá entre tantas imagens, e elas perderão seu impacto.

Depois ligue para as editoras e peça permissão pra enviar um email com um link para onde está seu portfolio. Ter o portfolio online já faz com que seja encontrado pelos editores.

Nos eventos distribua um cartão com uma belíssima ilustração sua e o link para seu site junto aos seus contatos profissionais.

Sucesso em 2010!!!

quarta-feira, dezembro 16, 2009

domingo, dezembro 13, 2009

Feliz Natal 2009


 

RPG


I develop that cards for roleplaying with my original 90's group. Sometimes, when Death seems inevitable, a strange guy called Themistocles might apear and propose a chalenge: you may pick a card from the 6-Death Deck. That's a 2% chance you will win a formidable price... or a 98% chance of dying in one extremely painfull way. No chance to "lifegivers". In one of the cards you will be turned in a "Themistocles" clone, instead of being killed.

Astronauta

Illustration made for "Planet Hunters", a SciFi comic of my own authorship.

Dragão Pepo


Desenho feito em 1998 do dragão filhote Pepo, de uma história que escrevi durante os anos de faculdade de astronomia (física quântica pode ser tão inspiracional quanto emocionante).

Como desenhar um dragão.


Rough of a dragon, book cover project

Dragon & fungi


sábado, novembro 28, 2009

Fada - fee - fairy

Vovó-Dragão para ouvir!


Navegando achei a versão em áudio do livro de minha autoria "Vovó Dragão". Fiquei feliz! Clique no link e escute: "Essa história começa com uma caçada..."
Vou passar pra Vovó Mary (a verdadeira Vovó Dragão, hoje com 97 anos) ouvir também.
Obrigada a Elza Xavier que vocalizou a história!
Foi produzido pelo instituto Benjamin Constant.

Clica e escuta em

sexta-feira, novembro 27, 2009

Natal com Leituras - foi emocionante!






Salmo Dansa no Natal do Leituras 2009.






Eu e Francisco.




Com Otávio Júnior do LER É 10! Olha meus dedos cobertos de tinta! Xi, desculpe-me, Otávio... acho que "carimbei"  suas costas sem querer...tipo...um arco-íris!



Ilustradores começam a desenhar cedo.

Bia diz "alou" pra criançada! Tem início a Maratona de ilustração. Foram mais de 4 horas seguidas de pé, desenhando pra turma. Não contei, mas acho que foram quase dez escolas diferentes!

A bússola de Margareth Mee


Foto de minha autoria.

Marina Colasanti e as fadas na Biblioteca Nacional


Fomos, eu a Flávia Côrtes, a Aline Girão, a Sandra Ronca, a Sandra Pina... Olha o Luis Raul Machado ali no palco com a Anna Cláudia, a Marina e o autor e psicanalista Ary Band!

Essa e outras palestras podem ser vistas no Instituto Embratel: www.institutoembratel.org.br

Use a ficha:

Título: CONTOS DE FADAS, A TRADIÇÃO E A PSICOLOGIA INFANTIL COM MARINA COLASANTI,ESCRITORA E POETA,LUIZ RAUL MACHADO,ESCRITOR E ARY BAND, PSICANALISTA, PROFESSOR
Subtítulo: AO VIVOData: 19 / 11 / 2009 16:00
Série: LEITURA EM DEBATE:A LITERTURA INFANTIL E JUVENIL 2009Tipo de Mídia:  Vídeo
Participantes: MARINA COLASANTI,ESCRITORA E POETA,LUIZ RAUL MACHADO,ESCRITOR E ARY BAND, PSICANALISTA, PROFESSORInstituição:  FUNDAÇÃO BIBLIOTECA NACIONAL

quarta-feira, novembro 25, 2009

Como abordar um ilustrador


Então? Que conclusões tiramos do post anterior (COMO NÃO ABORDAR UM ILUSTRADOR)? Quais seriam a boas dicas de como propor aos ilustradores parcerias criativas?

Antes de tudo, é importante dizer, que tão logo você se torne um ilustrador, ou escritor, conhecido, será comum receber este tipo de proposta de tempos em tempos. Algumas mais gentis, outras mais leigas. Eu mesma já chateei um bocado de gente no passado com um "Ei, posso ilustrar um livro seu?" doidinha que eu tava pra estreiar no mercado de LIJ.

O caso é que o conteúdo da maioria das propostas revela uma ignorância (compreensível, perdoável) do que é o trabalho do ilustrador (ou em outros casos, escritor, editor).

Não raro, o ilustrador tem uma rotina de trabalho intensa. O editor... mais ainda!!
Quem é do meio sabe da importância de ser capaz de se adaptar a prazos limitados, exigências extremas, horas e horas de pura negociação sobre licenças, projetos visuais. Além do envolvimento natural de diversos tipos de profissionais.

Um livro não tem uma só mãe, ou pai. Tem vários. Na família do livro tem editor, designer, escritor, ilustrador, tradutor... por aí vai. 

Esse ilustrador, que tem uma rotina de trabalho intensa, costuma ter de abrir mão de horas de lazer junto à família, e até projetos pessoais, para cumprir metas e prazos do mercado. Saber trabalhar sob pressão, sem perder a qualidade, saber orçar seu material - de forma que sua remuneração seja condizente com a expectativa de mercado, são talentos importantes.

Logo, é praticamente impossível conseguir mobilizar um ilustrador para um projeto de risco, onde não há garantia concreta de remuneração. Para ser mais claro, o ilustrador verá sua proposta com os mesmos olhos que um editor examina os projetos que lhe chegam. 

Pedir que um ilustrador se dedique ao seu projeto, é o mesmo que pedir que alguém invista uma certa quantidade de dinheiro nele. No texto-exemplo (ver post anterior), o remetente afirma que consegue produzir rapidamente seus textos. E parece concordar que o tempo para a produção das ilustrações é bem maior. De fato é.

Esse tempo é dinheiro. É o ilustrador pagando para que seu texto tenha uma maior chance junto ao editor. E porque ele faria isso? Existem fatores que poderiam convencê-lo a ser seu sócio, ou não. Falando objetivamente, vamos entender como um ilustrador, ou um editor, vai avaliar sua proposta. Primeiro os contras, e em seguida os prós.

Contras:

1-Autor desconhecido, ou iniciante;
2-Projeto gráfico, e ou ilustrador já determinado - e qualquer outro fator que tire do editor o poder de decisão sobre isso;
3-Falta de originalidade;
4-Falta de talento;
5- Público alvo muito específico;
6-Tema polêmico (exceto quando requisitado);
7-Abordagem ansiosa.

Por abordagem ansiosa, me refiro àquelas pessoas que tem dificuldades em receberem uma negativa ou crítica sincera por parte do receptor do texto (costumam tratar pior o ilustrador do que o editor). Quando um editor percebe que está lidando com uma pessoa que se ressente facilmente quando recusada ou criticada, ele costuma evitar qualquer parceria com a mesma. Tal comportamento pode colocar a perder o tempo e dinheiro do parceiro. 

Conheci colegas que perdiam projetos já a ponto de ir pra gráfica, por pura egolatria de algum envolvido. Já soube de caso de editor que recebia telefonemas diários de gente cobrando resposta sobre seus textos (não requisitados!!!). Esquecem que o editor não tem nenhuma obrigação para com ele. E que cabe ao editor decidir quanto e como arriscar seu dinheiro. Ídem para o ilustrador. 
Não é uma questão pessoal. Infelizmente, nem todos entendem.

Por isso muitos editores sequer dão retorno, ou quando o fazem, usam cartas padrão redigidas por um assistente. Como ilustradora, procuro dar uma resposta. Ainda que não seja obrigada a isso também.

Já os fatores que poderiam convencer um ilustrador a trabalhar em parceria de risco seriam, os prós:

1-Autor de renome, boa aceitação no mercado;
2- Originalidade
3- Talento;
4- Acesso ao nicho de mercado pretendido (se for o caso);
5-Flexibilidade no projeto e personalidade;
6- Conhecimento do mercado editorial;
7- Recomendação de terceiros: outros autores, editores, especialistas no nicho pretendido;
8- Texto revisado e previamente criticado por terceiros.

Por flexibilidade, remeto aqui ao oposto da "ansiedade". O remetente deve ser capaz de absorver o impacto da recusa e críticas do editor, ou ilustrador. E mais, de ser aberto a possíveis alterações em seu projeto original, visto que este, uma vez colocado pra desenvolvimento, irá envolver o tempo e talento de outros profissionais. 

Seria interessante analisar cada ítem em separado. Durante os eventos literários, no estande da Associação dos Escritores e Ilustradores de Literatura Infantil e Juvenil, esse tipo de papo amigo costuma ser servido aos visitantes aspirantes a autores - gratuitamente, por puro voluntariado de quem entende o drama (olha a ansiedade aí!) de quem sonha em publicar seus textos ou ilustrações.

Dos pecados cometidos pelo remetente, o pior talvez seja a falta de argumentos realistas que pudessem convencer o ilustrador a investir seu tempo/dinheiro no projeto. Como nos "prós"acima.

No lugar dele, eu convidaria o ilustrador a ler seus textos num blog - o que ele corretamente fez em email posterior - e procuraria revelar certo conhecimento de mercado. Conseguir contato prévio com um editor, ou investidor que pudesse bancar a pré-produção, sem dúvida ajudariam bastante. 

Porém, mesmo assim, não é recomendável apresentar a qualquer editor o projeto fechado (já com ilustrador, formato, etc). Salvo casos especiais.
Particularmente, não foi sensível a abordagem em que minimiza futuros colegas dele. 
Lembro de um rapaz, de grande talento que algum motivo qualquer não consegue deslanchar no mercado, que teceu comentários maldosos sobre outro ilustrador (esse conseguira em menos de um ano ter vários livros publicados) por considerar seu trabalho superior ao do colega.

Ainda que estivessem corretos em suas afirmações, é importante saber, que são muitos os fatores que concorrem para que determinado autor seja publicado. Conheço artistas cujo talento excede até mesmo de grandes autores consagrados, mas cujas obras permanecem desconhecidas. 

Saber mostrar seu trabalho, e estar pronto para receber as críticas é essesncial.
Meus primeiros projetos foram rejeitados. Inúmeros foram os colegas que sequer recebiam resposta dos editores e que agora publicam vários livros por ano.
Persistir, sem se deixar abalar emocionalmente é muito importante.

E, enquanto os louros que sucesso não chegam, participar de Blogs, grupos de estudo, exposições, coletâneas independentes... é uma forma de divulgação super válida, e que tem se tornado até fonte de consulta dos editores. E sempre que um colega mais experiente lhe der uma dica, ainda que seja na forma de uma crítica dolorosa, escute. Aproveite.

PS. Como que pra confirmar o supracitado, o remetente da "proposta de parceria" ficou ofendido pela crítica. Sua mensagem, dentre todas as outras, foi escolhida simplesmente porque vi a inutilidade de ficar tecendo sempre as mesmas recusas. "Blogando" espero ajudar de alguma forma qualquer um que esteja pretendendo propor parcerias, inclusive incentivando-as. Não citei nomes e mantive apenas o tom profissional. A impessoalidade não é apenas uma gentileza, mas para reforçar que é uma orientação genérica, não direcionada. É uma crítica ao fato e não à pessoa. Porém, o tal remetente diz se ressentir justamente da impessoalidade (!!!). Por uma questão de tato, irei alterar o texto mantendo o conteúdo, que como disse, é algo comum nas caixas postais.


PS. O pior de todos os argumentos que um remetente pode usar é o "será uma oportunidade de você divulgar seu trabalho", quase tão ruim quanto o "vai ganhar dinheiro com isso".  Primeiro porque quem está buscando divulgação e dinheiro é o proponente, às custas do risco financeiro do ilustrador (ou editor). Lembre. Ele teve a ideia, agora quer que outro invista o tempo e dinheiro (que poderia bem ser o dele!!!) para promover seu nome.

segunda-feira, novembro 23, 2009

Como NÃO abordar um ilustrador


Acabo de receber este email:

"Querida Thais,
Faz tempo que não nos falamos (ainda que quase não nos falávamos na época). Descobri que ainda é ilustradora. Eu não ilustrei mais. Atualmente sou apenas escritor. Possuo inúmeros projetos de livros para crianças e jovens, que eu mesmo posso ilustrar. Contudo desenho devagar, e escrevo rápido, com melhor qualidade. E afirmo que sou melhor escritor do que muitos que estão no mercado (suei e estudei muito pra isso, como fazem com desenho). Eu queria me informar se poderíamos marcar uma reunião para que eu mostrasse algumas idéias para você. Acho que uma cooperação iria ser vantajosa para nós dois.
Atenciosamente,
Fulano de Tal.
P.s. - Meus livros não possuem cunho estético, são produtos literário/didáticos com objetivo comercial (em suma: dinheiro)."


Você é capaz de identificar os erros cometidos pelo remetente ao solicitar uma parceria criativa com o ilustrador?
E se você fosse abordado desta forma, estaria convencido a responder positivamente?

PS. Reescrevi o texto original, com minha palavras, a pedido do remetente, que se sentiu ofendido ao saber que sua mensagem seria alvo de análise, ainda que em nenhum momento tenha sequer citado seu nome, ou feito críticas pessoais. Espero, mesmo assim, que o episódio lhe sirva de orientação para futuros contatos. Não poucos seriam os ilustradores que trocariam a orientação, que ofereço gratuitamente, por uma resposta atravessada ao remetente. Seu contato com um profissional de produção (ilustrador, escritor, tradutor, designer) é um ensaio de como deverá se comportar com o editor ou produtor.


sábado, novembro 21, 2009

Com Flávia na Academia Brasileira de Letras




Prestigiando Flávia Savary que recebe o "Janete Clair" - melhor peça teatral. Detalhe legal: a Flávia é uma belíssima papa-prêmio!!! No final de semana seguinte Flávia me levou para conhecer seu recanto em Teresópolis e para uma aventura gastronômica. Destaques para o acervo Beatles do Braz e o restaurante do incapturável super liberto-libertativo Sandro.

quarta-feira, outubro 21, 2009

FESTA LITERÁRIA DA EDEM

Dias 23, 24 e 25 de outubro vá curtir LIVRO ABERTO - A Festa Literária da Edem. Escritores, ilustradores - os autores de livros para crianças e jovens, recebem os visitantes para debates, oficinas, lançamentos e apresentações. Peguei meu folheto com as atividades na Livraria Malasartes.

O local do evento é:

EDEM
Rua Gago Coutinho, nº14 Laranjeiras
tel: 21 3235 8080

www.edem.g12.br

O evento tem apoio, entre outros, da Livraria Malasartes e da AEI-LIJ.

quarta-feira, outubro 07, 2009

COMO CRIAR UM BOM RELACIONAMENTO COM OS EDITORES -parte 2


Dando continuidade ao post anterior, que aconselhava ao NÃO ENVIO de mensagens não requisitadas, então quando seria a hora e a forma corretas de lembrar ao editor querido que você existe? Bem, pense quando e como ele gostaria de ser lembrado disto. Quando seu editor o convida para um lançamento é uma boa hora prar ir até lá colocar o papo em dia. Quando você estiver participando de um grande evento, lançando um lindo livro, coloque-o na lista de envio de postais. Uma vez por ano (já é mais que suficiente) você pode mandar um postal (com sua arte, é claro) ou um brinde legal (eu costumava mandar um calendário de mesa, bastante requisitado, rendeu bons novos clientes). Estando presente em eventos, palestras, fóruns, já é por si só uma forma de se fazer presente e também de colaborar! Dê o ar de sua graça de uma forma que ajude a mover o carrosel literário.

COMO CRIAR UM BOM RELACIONAMENTO COM EDITORES - parte1





Hoje, ao abrir minha caixa de emails, encontrei um que me inspirou este post sobre COMO CRIAR UM BOM RELACIONAMENTO COM EDITORES, OUTROS AUTORES, E AFINS. Não por acaso, os conselhos que coloco mais abaixo valem para praticamente TUDO nessa vida. Não só no meio profissional, mas pessoal também.
_________________________________________________________

O volume de mensagens diário que chega é imenso, inclusive o número de propagandas.

Vamos imaginar assim: alguém que chegasse com determinada frequência e lhe tocasse a campainha. Você se levanta (de pijamas mesmo), abre a porta. É seu vizinho da rua de cima. Ele diz: "bom dia". E então vai embora. Nas primeiras 3 ou 4 vezes pode até soar simpático, ainda que sem sentido. Mas a partir daí, se torna apenas um incomodo, ainda que suave. Depois de 35 vezes, você sequer se dará o trabalho de atender a porta. Depois de 100 vezes será impossível não se irritar.

O fato de colocar o nome de um por um, não altera isto. Talvez até mesmo piore, porque disfarça algo que não é pessoal de mensagem pessoal.

Imagine ainda se todos meus conhecidos (até mesmo os muito mais próximos que você, com quem meus contatos se limitam ao virtual), como pessoas que conheço pessoalmente, colegas de trabalho, parentes, tivessem o mesmo hábito. Eu teria uma média de 1.000 emails de saudação preenchendo minha caixa de email todas as semanas. E o único modo de saber quais deles são significativos e quais não são, seria abrindo e lendo um por um... dos 1.000 emails! O que de início pode ter tido a intenção de ser uma gentileza, acaba obtendo o efeito oposto!

Ok, até então seus emails continuos e se saudação apenas "afetaram" quem os recebe (pois se entendi bem,reclamaram). Porém, o verdadeiro prejudicado é você. Explico. Com o tempo, todos esses seus destinatários, se acostumaram a ver suas mensagens como meras saudações. A partir de então eles a marcam como SPAM, e simplesmente as jogam fora antes de saber do que se trata.

Um dia, porém, você terá algo especial a comunicar, pode ser o lançamento de seu livro, um prêmio importante que vale a pena comunicar que ganhou, um pedido de ajuda num trabalho importantíssimo... Só que se email vital irá direto para a lixeira do spam da turma!!!

Quando se trata de comunicar com pessoas com as quais você não tenha intimidade, é preciso extremo cuidado com o envio de spams e outras formas de correspondencia não requisitadas. Isso inclui telefonemas e mensagens de celular também. Quanto mais insistente você se tornar, mais elas terão de bloquear seu acesso a elas. Para tanto há editores que colocam secretárias para filtrar os contatos, e elas passam a bloquear todo seu material. Quem não tem, apenas marca como spam e tchau!

O procedimento correto neste caso, seria perguntar ANTES se a pessoa deseja receber seus emais semanais. E não "forçar" a barra e mandar emails que não são requisitados, seja qual assunto for.

Mais tarde, quando você precisar, ou desejar, acessar determinada pessoa para desenvolver um projeto, ou passar ou pedir informação, encontrará os canais fechados. Basta você se colocar no lugar desta pessoa: gostaria de receber, semanalmente, newsletters? De uma pessoa? (4 por mês) De duas pessoas? (8 por mês) De 20 pessoas? (80 por mês?) Porque, segundo sua teoria, não seria necessário que a pessoa demonstrasse interesse no recebimento.

Veja também pelo seu lado: você perder seu tempo, enviando um por um, para pessoas (centenas!!!!) que não pediram, será que vale?

Respeitar a privacidade das pessoas é a base da verdadeira gentileza. Se suas "visitas" forem mais raras e significativas, pode crer que também serão mais valorizadas.

sábado, setembro 19, 2009

Anuska Draccini e Yan


Esse retrato de mãe e filho é meu primeiro presente (descartando as fraldas) pro Yan.
Que já está quase emergindo da nave-mãe.

Ana Raquel caiu na rede!

Este nosso país de maravilhas que é a Internet (e que não conhece fronteiras!) tem na ilustradora Ana Raquel uma de suas mais ilustres Alices! Vá e prove de suas imagens deliciosas que como no sonho da menina faz crescer, crescer, crescer a alma.
Tá lá em:

http://anaraquelilustradora.blogspot.com/

quarta-feira, setembro 16, 2009

Em BH!


Muito a contar! Conheci gente legal, estou devendo esse retorno! Por favor aguardem um pouquinho mais.

Novo livro Descomplica noções de Direitos Autorais

O advogado especialista em Direito Autoral, Claudio Goulart autografa Direito Autoral Descomplicado nesta terça-feira, 15 de setembro.

Direito Autoral Descomplicado – Soluções Práticas para o Dia-a-a-Dia (http://www.thesaurus.com.br/livro/2111/direito-autoral-descomplicado-solucoes-praticas-para-o-dia-a-dia?a=15941&m=31, (Thesaurus Editora) do advogado e escritor Claudio Goulart, vai ser lançado nesta terça-feira, 15, a partir das 19h, no restaurante Carpe Diem da 104 Sul, em Brasília (DF).

Direito Autoral Descomplicado também será autografado no Rio de Janeiro (30 de setembro) e em São Paulo (24 de setembro). O Autor – 58 anos, nasceu no Rio de Janeiro e vive em Brasília há 35 anos – trabalha com o tema há 32 anos e tem vários artigos publicados sobre o tema.

O livro é uma análise da legislação que regula os direitos autorais no Brasil, além de orientar, segundo o Autor, "Os proprietários de programas de computador, para que respeitem os direitos autorais. Simplifiquei a legislação, ousando uma linguagem que pudesse explicar ao autor seus direitos e deveres frente à lei nº. 9610/98 – a nova Lei de direitos autorais".

"Da mesma forma – acrescentou – procurei orientar os proprietários de programas de computador, mostrando as diferenças marcantes na Lei nº. 9609/98 (que regulamenta os programas de computador e dá outras providências)".

Goulart disse ainda que "A idéia central é descaracterizar incursões doutrinárias que pudessem trazer maior dificuldade ao artista brasileiro, tendo preferido esclarecer, sem nenhum conteúdo professoral, o que lhe cabe dentro da lei e como ele poderia se defender das violações por parte de terceiros".

"O direito autoral no Brasil é muito desrespeitado, principalmente no campo da música. O chamado jabá é o exemplo que significa uma forma indevida de oferecer propina às emissoras de rádio e TV pelas gravadoras, por meio de dinheiro, de quantias ou promessas de prêmios, prejudicando os autores iniciantes de carreira, em detrimento daqueles da preferência dessas gravadoras", acrescentou.
A Silvana Marques postou na lista Direitos Autorais, recomendo!

-------------------------------------------------
Para aqueles que descumprem a legislação do direito autoral, Goulart lembrou, "aplica-se o Código Penal de forma assessoria à Lei de Direitos Autorais, com pena de detenção, independentemente da indenização por perdas e danos morais na justiça cível".

Serviço
Direito Autoral Descomplicado – Soluções Práticas para o Dia-a-Dia (Thesaurus Editora 2009), 118 páginas.

Lançamento: dia 15 de setembro, terça-feira, no Carpem Diem (104 sul), Brasília, a partir das 19h.

Leia o livro agora: http://www.thesaurus.com.br/download.php?codigoArquivo=328&a=15941&m=31

Leia entrevista com o autor: O direito autoral é desrespeitado no Brasil. http://www.nosrevista.com.br/2009/09/10/claudio-goulart-`o-direito-autoral-e-desrespeitado-no-brasil'/

O livro também terá lançamento no Rio de Janeiro, na Livraria Museu da República, dia 30 de setembro, a partir das 19h.
E em São Paulo, na Livraria Saraiva, dia 24 de setembro.
www.thesaurus.com.br