segunda-feira, março 14, 2011

ESTE TEXTO É LIBERADO PRA REPRODUÇÃO



(Arte que criei para o card-game Peleja ® de minha autoria.
Pode baixar, imprimir e usar. Liberado pra uso não comercial,
recreativo e educativo. Pode reproduzir em seu blog também.
No site www.yagarape-books.com você encontra as outras cartas)



Se existe um mérito nesta questão dos Direitos Autorais com certeza é a oportunidade de esclarecer juntos aos ignorantes do assunto, a natureza do trabalho autoral.

Numa réplica ao que escrevi anteriormente, certa pessoa colocou que pirataria não é crime porque "não tira pedaço" da obra original. Com base neste mesmo raciocínio então poderíamos requerer que os médicos, massagistas, professores, também trabalhassem de graça. Se bem que no caso dos professores, pra vergonha do país, já seja praticamente assim.

Ele entrega sua total ignorância sobre a natureza do trabalho autoral. Nós, artistas, não somos remunerados no ato de produção, como ocorre com outras atividades humanas. Somos remunerados quando alguém lucra, de forma direta ou indireta, com o que produzimos.
E para que se lucre com o que produzimos, tudo que é pedido é que se entre em acordo com o artista e que se respeite os direitos morais do criador. Neste acordo, cabe inclusive, a publicação gratuita, e é comum os artistas doarem obras e cachês para caridade.

Na Internet, como em qualquer mídia, arte é consumida em troca de capital. O porém é que este capital não esta sendo repassado na parte de direito de quem criou a arte. A Lei dos Direitos Autorais brasileira, não foi criada para prejudicar a difusão da arte! Um contrasenso que nenhum autor jamais apoiaria. Ela foi elaborada para garantir que os autores possam continuar produzindo, cada vez mais e com melhor qualidade.

A Internet nos trouxe duas grandes oportunidades: 

1- Agora todo autor pode optar por dispor diretamente sua arte ao público, e também receber por isso sem intermediários. Produtores, editores, livreiros, mais que tudo, são de fato parceiros dos autores, já que não há mais como se valer do isolamento do autor pra impor contratos desleais;

2- Nunca houve tanta facilidade de acesso, e com ela, o lucro que o autor pode receber pelo que faz é centenas de vezes maior. Um menino pobre, na periferia de Caxias ou Bombai, pode usar da Internet pra ficar famoso em dias e garantir o seu sustento e colocação no contexto da cultural mundial! Estamos falando de dimensões planetárias aqui. É tanto dinheiro, que estão a querer modificar uma lei, só pra garantir não ter que dividí-lo com quem é de direito, quem é a ponta que sustenta a criação!

Não acho que seja por acaso, que justo quando os autores começam a pesar mais o lado na balança, que estejam querendo roer nossa corda! 

O que é mais difícil de entender é que usuários desavisados, que parecem apenas interessados em baixar gratuitamente os hits do momento, apoiem iniciativas demagógicas, que por princípio irão desestimular a criação artística! Qual a lógica disso, a não ser a de que quem tem mais dinheiro, faz melhor sua propaganda e assim convence o público que os artistas são inimigos de si mesmos, não querendo embarcar na oportunidade de ouro da grande rede mundial.

Use a cabeça usuário. Ninguém quer diminuir o seu acesso. Nós, autores da arte que você curte, estamos a ser novamente explorados. Estamos do seu lado, não contra você. 


Thais Linhares – AEILIJ , ABIPRO, ABCA.
http://thaislinhares.blogspot.com

EM TEMPO:

Eu, Thais Linhares, autora de imagens, textos, libero esta mensagem para reprodução por quem desejar divulga-la, de forma gratuita - a única restrição é citar a fonte, o contexto, a data e não alterar, nem suprimindo ou adicionando, o seu conteúdo.

3 comentários:

Lee disse...

"Em Tempo: (...)"
Ou, de outra forma:

"Esta obra foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Obras Derivadas Proibidas 3.0 Não Adaptada"

Beijos, cara amiga!

Leka disse...

Oi talentosa Thais, oportuno e muito claro o texto (como sempre), vou colocar no meu blog na íntegra, com sua assinatura, se me permite.

E no mais? Como vão as investidas em cine-animação?

Grande abraço da amiga virtual,

LeKa.

Thais Linhares disse...

Permito sim, claro. Também aproveito pra agradecer os elogios e o contato.
Na cine-anima vou indo com passinhos lentos, pra não cair. Estudando muito, curtindo muito. Beijo grande!