terça-feira, maio 12, 2015

Tacuino da Viagem a Avaré e interior paulista

A capa:

O roteiro:

Rio de Janeiro capital
São Paulo – est. Tietê/Barra Funda (em 15')
Avaré – SP
Botucatu
Ribeirão Preto
Sertãozinho
Ribeirão Preto
Franca
Claraval
Franca
São Paulo capital
Rio de Janeiro, casa.

Na estante vão ficando os cadernos de viagem. Alguns mais antigos já nem sei onde foram. Como o da viagem de 3 dias para Porto Seguro, onde fui anotando todos os escritos dos para-lamas dos caminhões. Era ainda adolescente. 
Em Porto Seguro uma garota me paquerou de jeito engraçado, fazendo meu pai rir. A música era boa. E quando é boa inspira. As paisagens tem cada uma sua melodia particular. E cada por-do-sol pinta cores em diferentes acordes, dependendo da latitude a luz muda o tom.

Detalhe de Boa Viagem:


Arabesco da asa lateral da nave da Matriz de Nossa Senhora da Dores.
Pavlovisky (?- Paulo Vicky, segundo Genesi), decorou TODO o interior da Igreja da Matriz de Avaré, na MÃO! Levando uns 10 anos. E de cair e rolar os olhos pelo chão de tão deslumbrante:

Detalhes das ruas de Avaré:
O dragão eu conheci na sorveteria 
tomando sorvete de côco queimado 
com doce de abóbora.


Informações colhidas em prosa com os compadres avareenses, 
patinhos e totosa do Horto de Avaré:

Primeiro o Prosa-Show de Avaré com o 4 Cantos:

Viola do Wilson Teixeira e ele no carron 
(pra música "Folia de Reis" do Luiz Salgado):
Finalmente pude ver, tocar, e tocar música de gato na famosa viola.
Muito linda e doce, acarinhei com respeito.

Wilson cantando "Zoada":




Luiz Salgado enfeitiça a audiência com seus causos:

Após o show jantamos todos aqui, músicos, família, divulgadores. Acho que saímos no meio da madrugada do restaurante do Holandês:

Bati papo com os pais do Wilson, aqui o cartão do Jornal do Ogunhê, pai dele:


Sempre atento, o Marcelino Lima do blog Barulho d'Água:




Parquinho do Horto de Avaré e a cadelinha "Gostosa"– que me adotou.




Esse segundo show em Avaré, antes do de Botucatu, foi o melhor.
Som perfeito, emoção afinada. Intimidade com o público, cada nota um afago.
Wilson se disse emocionado por estar se apresentando em sua terra, com a família ali diante. Vou adiantar: é uma família nota mil! Só poderia mesmo ter dado em talento e simpatia como a do Virso. 
Dividi meu quarto de hotel na Pousada Cabana de Avaré com a Ana Lúcia Fernandes, a famosa Nalu Fernandes, que faz as lindas fotos dos shows dos violeiros aqui presentes. Muitas destas fotos são minha preciosas referências para as artes que fiz no vídeo-clip do "Canção de Estrada" do Wilson.
Ana Lúcia foi alegria pura de conhecer, pessoa coração de ouro. 
Tá na lista dos que garantem a força do bem no planeta.


Eita música! Meu amigo Genesi, da Igreja, é o mais novo fã do 4 Cantos e do Wilson. Genesi tem 96 anos e é juiz de Paz (o casamenteiro) de Avaré. 
Nos conhecemos de forma meio fantasmagórica, 
o que costuma marcar bons encontros.

Batera e baixo:


"Folia de Reis" de Luiz Salgado, em Botucatu:

Com a música.

Peixes do parque Curupira de Ribeirão Preto (coadjuvando o menino gaiteiro do Ivan, prévia do show na Casa das Rosas - capital):



Anjo da nave da Igreja Matriz de Ribeirão Preto, na pracinha da feira onde papeei com o casal viajante e politicamente atuante da barraca dos creper, sucos, etc. Comprei a sandália da hippie-senhora-linda.



Na Casa das Rosas, show de aniversário

Henrique Krispim convida e o Folk na Kombi se juntou no show.

O aniversariante nos presenteia!

O celo me encantou.


Felipe Camara, Bezão, Jonavo e Ivan Marcio.

Aqui após o show do Primeiro de Maio, já alta da noite, o espetacular show do premiado ZULUSA de Patrícia Bastos e convidados. Tonta do vinho dos trabalhadores, só desenhei ela... Divina iara do Pará. Escuta uma palhinha aqui com Causou.
Fui com Karina Carlla, o que significa uma glória extra. Ela é cantora voz de ouro, e lá me apresentou seu professor o Marcelo Pretto que dividiu o palco com a Patrícia.


Dia seguinte no Porão, 3:30 am.
Danilo arrepiando o violino. Nem deu bola pra ninguém.

Mistura sonora no Porão.

Cândido, nosso guia no Porão, mandando um som poderoso.
Depois ele enfeitiçou uma donzela com o gemer suave de um serrote.
Incrível! Assim mesmo, na frente de todos. 
Ela só não flutuou porque era donzela de ferro.


Pra você sentir como é, esse vídeo de 2013 registra uma noite no Porão.
esse outro é pra matar de inveja quem ainda não conhece o que é este lugar.
Karina, olha QUEM tá ali batucando!!!

Como diria nossa sábia musa e filósofa, a Chiquinha: 
– Pois é, pois é, pois é...

Aí saindo da cidade pelo buraco do metrô da Liberdade...
O poeta do metrô paulistano.
Teimou que meus olhos eram verdes, só que eu amo olhos castanhos (que são os olhos dos pássaros mais queridos). Cismou também que eu tinha namorado.
Tenho ninho, mas minhas asas não tem dono não senhor, viu?

E no Tietê:

Luzia e Edna.
O som da música delas me atraiu até ali. E decidi almoçar curtindo o momento com elas. Acabei amiga da Edna, que é da igreja Batista, e seu filho coordena as atividades musicais da igreja em Campinas. Tentarei passar para ver o coral quando voltar lá no programa do SESI-SP das oficinas de arte. Que será em poucos dias.
Muito lindas as duas musicistas.


Um comentário:

Gina Trimer disse...

Thais ficou muito bom! Adorei! 👏 👏 👏 👏